Feliz Aniversário Eva e Joy!

Hoje, 06 de Julho de 2017, Eva e sua irmã gêmea Joy, completam 37 anos de vida.

Portanto, para comemorar essa data, o Eva Green Brasil preparou um post retratando desde o nascimento das gêmeas, até o desenvolvimento da carreira de Eva, desejos, e curiosidades.

 

Filhas da atriz Marlène Jobert e do dentista Walter Green, ambas tiveram uma infância especial, aos cuidados de uma mãe bastante intuitiva, criativa e amorosa. Que fora de grande importância para o desenvolvimento pessoal de Eva e de sua irmã Joy.

“Na verdade, foi assim que ele conheceu minha mãe. 

Sua mãe era uma paciente dele?

Sim, e foi: “Oi, vamos sair?”

-Eva para o The Guardian 2011

 

A atriz francesa Marlene Jobert, deu a luz às Gêmeas Eva e Joy Green, por parto cesariano, no dia 6 de julho de 1980, em Paris, França. Eva nasceu um minuto antes de Joy.

Jobert era uma atriz muito famosa na França, portanto após o nascimento das gêmeas, Marlene e Walter mudaram de endereço, longe da cidade.

Desde muito novas, as gêmeas já eram capa de revista, juntamente com sua mãe. Apareceram em diversos artigos durante a infância e adolescência.

 

 

Marlène Jobert, uma atriz que virou escritora de livros infantis, é de ascendência judia sefardita; Seu pai, Walter é dentista, metade sueco, metade francês. Eva se descreve como uma judia secular que nunca frequentou a sinagoga quando criança.

-The Guardian 2016

“Eu inventei a história de “A bruxa do Parc Monceau’ ‘enquanto estávamos em férias na Córsega com Jacques Séguéla. Era o começo, esperávamos um táxi. Tornava-se cada vez mais difícil manter as meninas tranquilas, então eu sugeri uma história. Eu não tinha livros na mão, e, portanto, eu criei a partir do zero. […] Quando chegamos em Paris, as exigentes gêmeas me chamaram mais tarde. Eu contei uma estória de suspense, e elas queriam novos detalhes.” Diz Marlène.

-Jeudi

“Eu tive minhas meninas tarde, na idade em que uma mulher já sabe o sentido das coisas. Para as minhas filhas, eu sou o fluxo de suas necessidades. Cada uma tem sua própria personalidade. Eu tenho que ajudá-las a florescer. Elas são tão diferentes. Dediquei “A bruxa do Parc Monceau” à Eva, que está sempre pronta para que eu conte uma estória de bruxa, e confia mais que sua irmã. Joy é mais secreta, prefere “O animal estranho”, porque ela gosta muito de rir”

– Madri

 

“Quando eu era criança, eu gostava de ficar com medo. Eu lembro de falar para a minha mãe ‘Por favor, conte-me um conto de fadas’ mas tinha que ser assustadora, com uma bruxa terrível. Tinha que terminar bem, claro.” Diz Eva

-Film4 2016

Segundo seus pais, Eva e Joy têm personalidades opostas:

“Enquanto Eva gosta de estar na cidade, Joy ama o campo e seus cavalos. Elas não se davam bem quando adolescentes, mas Joy agora está muito orgulhosa de Eva. Elas são muito próximas. ”  

“Eva revelou um talento para música e teatro e ambas aprenderam a cavalgar, mas Eva ‘não se divertia nem um pouco’, de acordo com seu pai. “Ela ficava muito trêmula e não tinha sentimentos pelos cavalos, enquanto a Joy os amava”.  Diz seu pai, Walter Green

DailyMail 2006

“Eu costumava tocar piano. Eu parei quando eu tinha mais ou menos 17. Se eu me sentasse em um piano agora eu provavelmente poderia tocar um ou dois trechos. Talvez “Nocturnes” de Chopin.”

-CG Magazine 2009

Quando questionada sobre qual filha Marlène é mais próxima, a mesma disse que encontra um pouco de si em cada uma, em Joy, com seu amor pela natureza e pelos prazeres simples, e Eva por sua sensibilidade artística.

 

  • Quando crianças, as gêmeas eram cuidadosamente protegidas pela mãe, que queria preservar a privacidade da família e ver suas filhas crescerem como qualquer criança. Por vezes, as gêmeas eram registradas com nomes diferentes nas listas de hotéis, durante as férias da família.

 

  • As meninas foram para uma escola bilíngue em Paris e passavam as férias na Inglaterra, Irlanda e América, aperfeiçoando o inglês.

 

  • A família de Eva costumava viajar bastante nas férias, para lugares como Normandia, Córsega, e Marrocos. Diversas das fotos divulgadas da infância de Eva, se tratam de registros destas viagens.

 

 

  • Quando criança, Eva costumava sonhar que sua vida se tratava da lembrança de vida de uma senhora velha.

 

  • Eva tinha medo do mar, que foi superado fazendo-a se apaixonar por este.

 

Marlène alega que suas filhas eram curiosas, gostavam muito de aprender e eram boas alunas. Mas apesar de ótima aluna, Eva sentia muita vergonha de ter que levantar a mão para perguntar algo aos professores.

 “Eu não era popular na escola, eu era bem nerd, ficava grudada nas paredes. Eu era muito tímida. Na verdade ainda sou muito tímida. Não conseguia falar, ficava vermelha quando o professor me fazia uma pergunta, eu ficava paralisada.”

– Eva para W Magazine.

“Eu era muito estudiosa,  até demais. Eu nunca saia nos fins de semana. Eu era muito séria.”

 – Green para Telegraph, 2012

Durante a infância e adolescência, Eva detestava festas de aniversário, e nunca ia quando era convidada.

“Ok, eu admito, eu era estranha! Bem, eu realmente era bem tímida. Eu nunca quis ir às festas de aniversário, provavelmente porque eu estava com medo de palhaços. Mas já superei isso!”

– HH Journal 2016

“E não, eu não era boa com os garotos, meu deus, nada boa

– W Magazine 2016

Pela timidez, sua mãe Marlene, a colocou no teatro para que superasse.

“Então, estranhamente, talvez até mesmo com masoquismo, eu decidi fazer aulas de teatro para ser outra pessoa e talvez ganhar alguma confiança. Então, eu achei o que eu realmente gostava, e então eu sabia que estava tudo bem, que o que eu gostava de fazer era ser outras pessoas”

-Telegraph 2015

Depois de terminar a escola, Joy ingressou faculdade de negócios. Ela agora cria cavalos na Normandia com seu marido italiano. E vive na Itália, próximo à Toscana.

Eva estudou drama em Paris e depois em Londres, onde ganhou um lugar na Academia de Drama da Webber Douglas.

“Minha mãe Marlene Jobert tinha medo de me tornar uma atriz como ela. Ela
sabia que eu era muito sensível e frágil. Então eu aprendi com ela como parecer mais forte do que eu realmente sou.”

“Ela disse: Você quer ser uma atriz? Então, aja como se não estivesse com medo de nada. ” ” O conselho  dela me fez sentir viva. Fui constantemente encorajada a me expressar e viver minha vida verdadeiramente.”

-The Sun, 2012

“Ela é um pouco horrorizada [pelo que eu faço]. Às vezes eu fico tão preocupada [com um papel] que ela dirá: ‘Não se estresse’, mas havia menos concorrência no tempo dela. Ela vai discutir sobre um Papel e trabalhamos nas falas. Ela acha que atuar é um negócio terrível e é verdade, é difícil depender do julgamento de outras pessoas o tempo todo. Você não deve tomar isso pessoalmente, ser forte “.

-The Guardian, 2011

TELEVISION FILM ‘AVOCAT D’OFFICE II’ BY BERNARD STORA (Photo by Stephane Cardinale)

Eva quando criança assistiu todos os filmes de sua mãe

“Ela é muito espontânea na tela, instintiva, frágil, muito parecida com Shirley MacLaine. Ela é como um passarinho, muito diferente de mim”.

-Eva para o The Guardian 2011

Eva Green começou sua carreira no teatro,  e atuou em peças como TucaretJalousie En Trois Fax

“Adoro teatro e já fiz, e tenho muito medo de voltar ao palco. Eu adoro, mas prefiro [cinema] – acho que somos teatrais de uma boa maneira, mas se f****** tudo, fazemos de novo.”

– 2016 para Vice. 

“Eu estava nesta peça e eu não me dei bem com o diretor, e eu não gostava da peça. Foi muito grotesco, sabe? Muita maquiagem e perucas e eu estava interpretando, essa coquette. Eu estava no palco durante a maior parte do tempo, além de três minutos, quando eu fui autorizada a sair e fazer xixi em um balde. E durante esses três minutos eu estava sentada em um balde, fazendo xixi e chorando ao mesmo tempo ” “Ah, foi terrível. Foi um pesadelo. Eu odiava tanto”. 

–  para o The Guardian 2010

 

Depois de estudar atuação em Londres e Nova York, ela voltou para Paris , onde atuou em várias produções de teatro, incluindo Jalousie In Trois Fax, onde foi notada pelo diretor Bernardo Bertolucci. Ele se aproximou da jovem e pediu-lhe para estrear no seu novo filme The Dreamers (2003), uma adaptação do romance de Gilbert Adair.

Ambos os pais de Green tentaram convencê-la a não aceitar e a tentar provar ser um papel decisivo para seu primeiro filme.

“Por causa do que aconteceu com Maria Schneider em ‘O Último Tango em Paris’. Schneider desapareceu depois que o filme se tornou um sucesso, depois registrando-se em um hospital psiquiátrico italiano. Vários anos depois, ela retomou sua carreira.”

“Ele nos deu muita liberdade e nos deixou ser. Ele não deu muita direção. Nós não ensaiamos – ele confia na magia do momento. Foi inocente, divertido e louco.”

– The Guardian 2016

“Eu tive uma cena em que minha própria personagem iria perder sua virgindade. Eu tive de lembrar como eu me senti quando eu fiz sexo pela primeira vez. Sou tão reservada na vida real,
mas eu me surpreendi completamente.”

The Sun UK 2012

“É interessante porque, quando saiu, não teve muito sucesso. Na França, morreu muito rapidamente nas bilheterias. É realmente ao longo dos anos que as pessoas começaram a gostar. Quero dizer, eu adorei. Foi o meu primeiro filme, eu era tão fã de Bertolucci, e é um filme tão livre. Muito puro, divertido. Quero dizer, eu nunca assisto meus filmes, então isso é apenas o que eu experienciei.” 

 

Eva diz que atuar, é um trabalho estranho e de muita exposição. Ela sempre está se questionando; Sempre temendo que ela não esteja à altura.

“Minha mãe costumava dizer que há duas pessoas dentro de mim. Eu não me conheço. Mas ao mesmo tempo é minha salvação, ou algo assim. Eu me sinto viva quando estou trabalhando em uma personagem. Eu não poderia fazer outra coisa. Tenho muita sorte de ganhar dinheiro com isso e ser o meu trabalho. Eu acho que minha timidez teria me matado em outros trabalhos.”

“Às vezes, eu sou muito exigente comigo mesma. Sinto que sou meio esquizofrênica, é isso que minha mãe diria. Eu posso ter certeza de algumas coisas, posso ser franca e muito determinada. Mas eu diria que eu não sou muito confiante quando sinto que tenho que me provar. E nesse negócio você deve manter sua armadura e ser forte. Ao mesmo tempo, você deve manter sua vulnerabilidade para o set – ser capaz de agir, então é um pouco difícil. Ainda estou aprendendo. “

 – Eva Green para Vice, 2016

“Eva não pode se imaginar fazendo outra coisa. Ela revelou qualidades que eu não suspeitava: uma resistência física e mental, a presença de uma densidade impressionante e um talento inegável. É uma profissão ingrata, injusta, cruel e muito aleatória.” “Eu pensei que você mais frágil do que parece.” – Marlène sobre Eva

– Pure People, 2014

Apesar de sua timidez, Eva vêm interpretando mulheres fortes e ‘femmes fatales’ ao longo de sua carreira que são muito diferentes de sua própria personalidade

“Quando me colocam na caixa de “misteriosa”, às vezes eu fico, que seja. É porque tenho cabelo escuro. [Risos] É verdade que eu não pertenço … Sempre me senti assim quando criança, sinto que estou flutuando, um pouco. Gostaria de ser mais pé no chão. Eu não sei como definir isso. É timidez. Na escola, nunca estava em grupos, sempre tive um melhor amigo. Se eu tivesse que falar na frente de alguém, eu iria quase desmaiar. De qualquer forma. Então, agora estou fazendo isso”

Eva declarou sempre ter sido atraída por papéis mais ‘obscuros’ mas não apenas isso, papéis complexos, que vai se descobrindo pouco a pouco da personagem. Sua família não entende por que ela é tão atraída para o lado obscuro.

“Se eu ouvisse o conselho da minha mãe, eu não faria nada. Digo-lhe a história e ela: “Ah, Deus! Por que você está fazendo isso? “Por que você não pode interpretar algo normal?” 

“Eu não sou tão confiante na vida real, então às vezes sou atraída por interpretar mulheres fortes, porque eu gostaria de ser assim na vida real. Se alguém me aborrecesse, gostaria de poder dizer:”Corte a cabeça fora” ‘No geral, eu sou muito assustada, por isso é um sonho ser tão esquisita no cinema, mesmo que sendo grossa e malvada. Na realidade, eu realmente sou bastante introvertida.”

-Telegraph 2015

Sua irmã Joy, atualmente é casada e têm dois filhos com um italiano, Giulio e Vittorio.

Eva já declarou que não gosta da ideia de casamento, a ideia de  viver com alguém não a agrada.

“Acho que não seria capaz de viver com alguém agora “, diz ela. ‘Eu decidi. Eu acho legal ser independente e ter seu próprio espaço. ” Claro que muitas pessoas compartilham tudo e estão muito felizes. Isso depende da pessoa.”

– Telegraph 2012

Quando estava na escola, ela assistia seus colegas de classe flertando

“Eu sentia como se eles estivessem brincando de casal, brincando em estar apaixonado. Eu queria a coisa real. Eu era talvez um pouco pretensiosa “

“Eu sinto como se eu estivesse flutuando, tipo sonhar acordado, não vivendo minha vida completamente. Eu queria poder ser mais “- ela clica nos dedos –” qual é esse livro? O Poder Do Agora. Eu deveria lê-lo.”

– Telegraph 2012

“Tenho certeza de que não sou a pessoa mais fácil de se conviver, mas quem é? Eu provavelmente sou um pé no saco tem horas”

– CG Magazine, 2009